Outros
 

CAPITAL MUNDIAL DAS PEDRAS ÁGATA


O Brasil é o maior produtor mundial de pedras preciosas. Os Estados de maior produção são Minas Gerais e Rio Grande do Sul.
As primeiras jazidas no Brasil foram descobertas em 1827, por imigrantes alemães oriundos de Idar-Oberstein e que imigraram para o sul do Brasil.
O Rio Grande do Sul é o maior produtor de ágata e ametista.
No município de Salto do Jacuí/RS, nas margens direita e esquerda do rio Jacuí, estão localizadas as maiores jazidas do mundo de pedra ágata. A exploração da ágata na região de Salto do Jacuí, remonta as primeiras décadas do século, quando imigrantes alemães aqui se instalaram e tomaram conhecimento da existência dessa gema, muito apreciada em sua terra natal.

1. DEFINIÇÃO
Para se definir o que é ágata, faz-se necessário o conhecimento de determinados termos técnicos:

1.1 Pedras preciosas e semipreciosas
Todas as pedras preciosas e semipreciosas têm algo especial, algo bonito em torno delas. A maioria das gemas são minerais, algumas são rochas, outras são de origem orgânica.

1.1.1 Gemas
Nome coletivo para todas as pedras ornamentais. Não há uma linha divisória real entre as pedras mais ou menos valiosas e é, portanto, um sinônimo de pedras preciosas e semipreciosas.

1.1.2 Minerais
É um constituinte natural, inorgânico e sólido da crosta da terra. A maioria dos minerais também tem formas definidas de cristais.

A maioria das gemas é formada de minerais, com poucas exceções (gemas orgânicas – âmbar, coral e pérola).
A ágata pertence ao grupo de quartzo, que é constituído de minerais de composição química SiO2.
Pode-se definir a ágata como uma das variedades de calcedônia que, por sua vez, é uma variedade microcristalina de quartzo. A ágata apresenta bandas paralelas finas e concêntricas ou apresenta-se com uma mesma coloração tanto cinza-azulado quanto vermelha. A composição química é a mesma do quartzo (SiO2).

2. CLASSIFICAÇÃO
A presente classificação utiliza denominações comerciais usadas em Salto do Jacuí, tanto pelos garimpeiros e extratores, quanto pelos comerciantes e industriais.
Baseia-se fundamentalmente no tamanho da pedra e na coloração da massa, fatores que determinarão o uso da mesma:

2.1 Tamanho da pedra
- menor que 0,5 kg – rolinha
- 0,5 a 1,5 kg – rolão
- 1,5 a 3,0 kg – cinzeiro
- 3,0 a 8,0 kg – segunda
- maior que 8,0 kg – primeira

2.2 Coloração da massa

2.2.1 Cinza-azulado homogênea – é a ágata tipo “umbu” utilizada para exportação em bruto. Sua coloração e cinza-azulado, distribuída de maneira uniforme na pedra.

2.2.2 Cinza-azulado heterogênea – é a ágata que sobre industrialização para posteriormente ser exportada. Sua coloração é nos mais variados tons de azul, sendo distribuída de maneira irregular na pedra, o que lhe confere um heterogeneidade em termos de cor.

2.2.3 Avermelhada – é a ágata de coloração vermelha, utilizada principalmente na fabricação de bijuterias cujos principais fabricantes situam-se em Minas Gerais. Dispensa o tingimento, sendo necessário, às vezes, um tratamento térmico para acentuar a tonalidade vermelha.
Além desses dois grandes grupos, temos ainda:

2.3 Geodo
É a chamada “pedra oca”. É a pedra ágata cujo interior não foi totalmente preenchido pela massa, formando um vazio (oco), geralmente com alguns cristais perfeitos de quartzo (citrino, ametista, hialino, calcita, zeolita, etc).

2.4 Pedra com listra
É a pedra, tanto azul quanto vermelha, que apresenta listras brancas com espessura variando de 1mm a 1,0cm.

2.5 Sal para chapa
É aquela pedra bem formada (está relacionada com arredondamento), sem defeito (trincada, descascada), que apresenta uma chapa de massa com espessura de, no mínimo uma polegada e o seu interior é constituído por cristalização de quartzo de alta temperatura (que o garimpeiro denomina de sal).

2.6 Sal para porta-livro
É a mesma pedra para chapa só que pode apresentar imperfeições (como ser parcialmente descascada) não sendo útil para aquela finalidade.

2.7 Pedaços
São pedaços de pedra ágata, de coloração cinza-azulado homogênea (para exportação); cinza-azulado heterogênea e, vermelha para a confecção de bijuterias.

2.8 Calcedão
É a variedade que apresenta o maior valor comercial. Trata-se de uma pedra cinza-azulada que apresenta, em sua base, uma estratificação horizontal de calcedônia, a qual retirada fornece uma superfície plana característica.

3. USOS
A ágata e uma gema composta por óxido de silício (SiO2), cuja dureza na escala de Mohs situa-se entre 6,5 e 7,0; possui uma densidade relativa de 2,60 – 2,65; não apresenta clivagem (propriedade segundo a qual o mineral pode parti-se ao longo de certos planos); apresenta, quando solicitada, uma fraturamento desigual.
As jazidas de ágata sul-americanas produzem pedras que usualmente são de cor cinzenta e aparentemente sem nenhum desenho, sendo necessário tingi-las para revelar suas estruturas vivas e colorações. A possibilidade de tingi-las varia segundo sua porosidade e o conteúdo de ágata ou opala das diversas camadas.
Na região de Salto do Jacuí, ocorre uma variedade de ágata, conhecida internacionalmente como “ágata umbu”, que possui uma coloração cinza-azulada e que possibilita ao lapidador obter cores homogêneas, através do tingimento.
Em função de suas propriedades químicas e físicas, a ágata possui uma utilização bastante diversificada, que varia desde bijuterias até peças e equipamentos, tais como almofarizes, peças para relógio, mancais para balança, pistões de ágata para bombas de lama (inds, cerâmica), etc.
Entre os objetos mais produzidos com a ágata, destacam-se cinzeiros, chapa grossa, chapa fina (para ornamentação), mostradores de relógio, porta-copos, porta-canetas, lustras, pulseiras, colares, brochas, anéis, porta-livros, chaveiros, cabo de talheres, maçaneta de portas, vasos, taças, camafeus, porta-jóias, frascos para perfume, frutas, aves, ovos, bolas, pirâmides, etc.
Muito apreciados são os geodos de ágata com bico de ametista e/ou citrino, calcita ou disseminação de minúsculos cristais de quartzo que produzem um brilho intenso em contato com a luz.
A ágata tem aplicação direta também na indústria cerâmica, onde é empregada na moagem de argila. São utilizados seixos de ágata com alto grau de arredondamento e com diâmetro variando entre 0,5 e 6,0 polegadas (rolinha e rolão). Neste caso, a ágata está substituindo o sílex que era utilizado anteriormente.

4. OCORRÊNCIA
A ágata é um mineral largamente distribuído na crosta terrestre, porém ocorrências econômicas são mais esporádicas. Atualmente a fonte mais importante de ágata é a região sul do Brasil e o norte do Uruguai.

4.1 A ágata no Brasil
O Brasil é um dos maiores produtores de ágata do mundo, sendo o responsável pelo abastecimento dos maiores centros de lapidação existentes. As ocorrências com elevado significado econômico situam-se nos derrames basálticos de formação Serra Geral, no Rio Grande do Sul. Atualmente pode-se citar as ocorrências nos municípios gaúchos de Lajeado e Soledade como históricos, pois aí se iniciaram as extrações de ágata e atualmente as jazidas encontram-se praticamente exauridas.
Como conseqüência das exigências dos lapidadores estrangeiros, a extração de ágata concentrou-se nas margens do Rio Jacuí, abaixo da barragem de Salto do Jacuí, no município de mesmo nome, no Estado do Rio Grande do Sul, uma vez que exclusivamente aí ocorre a ágata tipo “umbu”, de cor homogênea cinza e que através de processos físico-químico induzidos adquirem as mais variadas colorações, conforme o desejo do lapidador.
Os demais tipos de ágata são encontrados tanto junto com a ágata “umbu” como pelos campos e banhados, em vários municípios gaúchos com evolução geológica semelhante. Estes tipos de ágata são utilizados na indústria brasileira, sendo exportado somente o produto final.
Especificamente na região de Salto do Jacuí/RS, a extração de ágata se concentra nas margens esquerda e direita do Rio Jacuí, pois aí ocorre a ágata tipo “umbu” para exportação.

5. CURIOSIDADES
Valorizada desde a Antigüidade pelos egípcios e sumérios, a ágata é muito apreciada na indústria joalheira e como objetos de adornos, tais como cinzeiros, saboneteiras, cabos e talheres e maçanetas. A grande parte dos produtos destina-se ao mercado externo, embora no Brasil venha crescendo a admiração do consumidor pela pedra.
É lendário o poder da ágata para aumentar as forças de quem a carrega consigo. Na antiguidade, dizia-se que eram sete suas principais virtudes:
Proteção contra os raios, feitiços, veneno, doenças e males da pelo.
A tradição ainda atribuída à ágata o dom de proteger de tombos seus portadores, o que levou os cavaleiros a adotarem-na como talismã.
Nostradamus, o grande vidente da Idade Média, acreditava que ao terem consigo uma ágata, as pessoas se tornavam mais persuasivas e agradáveis.
Na saúde é utilizada é utilizada na cura de males que atingem a pele, o plexo solar, o sistema digestivo, pulmões e garganta.
É aliada poderosa contra depressão, artrite, intoxicação, tumores e dores de cabeça.

PMSJ – Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí
Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo
Endereço:
Hermogênio C. dos Santos, 342 Fone: 5533271400, R. 215
e-mail sjacui@famurs.com.br



Informações Turísticas: Hermogenio dos Santos 342 Cep 99440-000

Fone (55) 327-1400 / Fax 327-1085 Salto do Jacuí RS

e-mail: redecidades@redecidades.net